Saúde urbana, ambiente e desigualdades


The original advisory opinion was requested by...Image via Wikipedia

AZAMBUJA, M., ACHUTTI, A., REIS, R., SILVA, J., FISHER, P., ROSA, R., BORDIN, R., OLIVEIRA, F., CELESTE, R., SCHNEIDER, A., CAMPANI, D., PICCININI, L., RAMOS, M., SATTLER, M., OLIVEIRA, P., LEWGOY, A.. Saúde urbana, ambiente e desigualdades. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Local de publicação (editar no plugin de tradução o arquivo da citação ABNT), 6, abr. 2011. Disponível em: <http://www.rbmfc.org.br/index.php/rbmfc/article/view/151>. Acesso em: 23 Set. 2011..

Saúde urbana, ambiente e desigualdades

Maria Inês Reinert Azambuja, Aloyzio Cechella Achutti, Roberta Alvarenga Reis, Jacqueline Oliveira Silva, Paul Douglas Fisher, Roger dos Santos Rosa, Ronaldo Bordin, Francisco Arsego de Oliveira, Roger Keller Celeste, Aline Petter Schneider, Darci Barnech Campani, Lívia Piccinini, Maurem Ramos, Miguel Aloysio Sattler, Paulo Antonio Barros Oliveira, Alzira Maria Baptista Lewgoy

Resumo

Os ambientes psicossocial, econômico e físico, nos quais se nasce, cresce, vive e trabalha, afetam a saúde e a longevidade, tanto quanto o fumo, o exercício e a dieta. A atenção individual à saúde não é suficiente para prevenir ou controlar os efeitos das más condições ambientais. Evidências históricas e atuais apontam para o agravamento das condições de saúde das populações mais pobres, acompanhando processos de urbanização rápida. Esperadamente, o envelhecimento populacional num ambiente urbano de desigualdade social deverá agravar a situação de saúde da população mais pobre, resultando em mais sofrimento e em perdas econômicas para o país. Com base nestas justificativas, um grupo de professores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul se organizou, via extensão universitária, para contribuir com a discussão e as iniciativas nacionais de intervenção sobre a saúde urbana. Os projetos do grupo abarcam: o debate sobre o impacto potencial de iniciativas privadas e políticas públicas setoriais (de habitação, saneamento, transporte, educação, inovação tecnológica, sustentabilidade ambiental etc.) na saúde urbana; a produção e divulgação de conteúdos sobre determinantes sociais e ambientais da saúde; a produção e disseminação dos indicadores de desigualdade social dos determinantes da saúde; a formação de recursos humanos; e a participação em redes sociais. A apresentação pública deste projeto cumpre o objetivo de contribuir desde já com essa discussão.

Referências

Unnatural causes – places matter…. is inequality making us sick? California Newsreel Production 2008. Public Engagement Campaign in Association with the Joint Center for Political and Economic Studies Health Policy Institute. [acesso em 2010 Abr 9]. Disponível em: http://www.unnaturalcauses.org/assets/uploads/file/UC_Transcript_5.pdf
Unnatural causes… is inequality making us sick? California Newsreel Production 2008. Public Engagement Campaign in Association with the Joint Center for Political and Economic Studies Health Policy Institute. [acesso em 2010 Abr 9]. Disponível em: http://www.pbs.org/unnaturalcauses/about_the_series.htm.
Achutti A. A partir do coração. Jornal Zero Hora. 2010; 16417.
Friedli L. Mental health, resilience and inequalities. World Health Organization, Regional Office for Europe, 2009. [acesso em 2010 Aug 03]. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0012/100821/E92227.pdf.
McEwen BS. Stress, adaptation, and disease: Allostasis and allostatic load. Ann NY Acad Sci. 1998; 840: 33-44.
Marmot M. The status syndrome: how social standing affects our health and longevity. London: Henry Holt and Co.; 2005.
Wilkinson R. Unhealthy societies. New York: Routledge; 1997.
Macinko J, Starfield B. The Utility of Social Capital in Research on Health Determinants. Milb Quart. 2001; 79: 387-427.
Krieger N, Alegría M, Almeida-Filho N, Barbosa da Silva J, Barreto ML, Beckfield J et al. Who, and what, causes health inequities? Reflections on emerging debates from an exploratory Latin American/North American workshop. J Epidemiol Community Health. 2010; 64(9): 747-9.
Levins R, Lopez C. Towards an ecosocial view of health. Int J Health Serv. 1999; 29: 261-93.
Slavicha GM, Way BM, Eisenberger NI, Taylor SE. Neural sensitivity to social rejection is associated with inflammatory responses to social stress. Proc Natl Acad Sci USA. 2010; 107(33): 14817-22.
Johnson S. Emergência. A vida integrada de formigas, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2003.
Szreter S. The population health approach in historical perspective. Am J Public Health. 2003; 93: 421-31.
Szreter S. Industrialization and health. Br Med Bull. 2004; 69: 75-86.
Cairnes J. Matters of life and death: perspectives on public health, molecular biology, cancer and the prospects for the human race. New Jersey: Princeton University Press; 1997.
Susser E, Bresnahan M. Origins of epidemiology. Ann NY Acad Sci. 2001; 954: 6-18.
Hemenway D. Why we don’t spend enough on Public Health. New Engl J Med. 2010;362;18. [acesso em 2010 Apr 9]. Disponível em: http://healthcarereform.nejm.org/?p=3400&query=TOC.
Rocha RM. A ocupação e o processo de urbanização sem planejamento no eixo rodoviário do complexo territorial Brasília–Goiânia. Brasília: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – Programa de Pós Graduação; 2006. p. 3.
Snow SJ. Commentary: Sutherland, Snow and water: the transmission of cholera in the nineteenth century. Int J Epidemiol. 2002; 31(5): 908-11.
Bassanesi SL, Azambuja MI, Achutti AC. Mortalidade precoce por doenças cardiovasculares e desigualdades sociais em Porto Alegre: da evidência à ação. Arq Bras Cardiol. 2008; 90: 403-12.
de Souza MF, Alencar AP, Malta DC, Moura L, Mansur AP. Serial temporal analysis of ischemic heart disease and stroke death risk in five regions of Brazil from 1981 to 2001. Arq Bras Cardiol. 2006; 87: 735-40.
Ishitani LH, Franco GC, Perpétuo IH, França E. Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil. Rev Saúde Pública. 2006; 40: 684-91.
Azambuja MIR, Bassanesi SL, Achutti AC. A mortalidade por doenças respiratórias em Porto Alegre é maior em áreas da cidade com piores indicadores sociais. Bol Saúde. 2009; 23: 31-9.
Acosta LMW. O mapa de Porto Alegre e a tuberculose: distribuição espacial e determinantes sociais. Dissertação de Mestrado. PPG Epidemiologia – UFRGS; 2008.
Bassanesi SL, Azambuja MI, Achutti AC. Life-expectancy and Social Inequalities across Porto Alegre city districts. In: XVIII IEA World Congress of Epidemiology and VII Brazilian Congress of Epidemiology, 2008, Porto Alegre. Annals XVIII IEA World Congress of Epidemiology; 2008.
Alves JED, Vasconcelos DS, Carvalho AA. Estrutura etária, bônus demográfico e população economicamente ativa no Brasil: cenários de longo prazo e suas implicações para o mercado de trabalho. Texto para Discussão Cepal Ipea. 2010; 10: 1-36.
Leeder S, Raymond S, Greenberg H, Liu H. A race against time: the challenge of cardiovascular disease in developing economies. The Earth Institute: Columbia University; New York; 2004. Disponível em: http://www.earth.columbia.edu/news/2004/images/raceagainsttime_FINAL_0410404.pdf.
Azambuja MI, Foppa M, Maranhão MFC, Achutti AC. Economic burden of severe cardiovascular diseases in Brazil: an estimate based on secondary data. Arq Bras Cardiol. 2008; 91: 148-55.
Achutti AC, Azambuja MI. Doenças crônicas não-transmissíveis no Brasil: repercussões do modelo de atenção à saúde sobre a seguridade social. Cienc Saúde Col. 2004; 9: 833-40.
Víctora C, Barros F. Infant mortality due to perinatal causes in Brazil: trends, regional patterns and possible interventions. São Paulo Med J. 2001; 119: 33-42.
Buss PM, Pellegrini Filho A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis. 2007;(1). [acesso em 2010 Aug 4]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312007000100006&lng=en&nrm=iso.
Comissão Nacional dos Determinantes Sociais da Saúde (CNDSS). Carta aberta aos candidatos à Presidência da República. Setembro de 2006. [acesso em 2010 Aug 03]. Disponível em: http://www.determinantes.fiocruz.br.
Fleury S. “Saúde Urbana e Cidadania”, Divulgação em Saúde para Debate: Revista do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde. CEBES. 2007;40:29-40.
W. Brian Arthur. Complexity and the Economy. Science. 1999;284:107-9. [acesso em 2010 Apr 8]. Disponível em: http://www.ifi.uzh.ch/groups/ailab/people/nitschke/refs/Complexity-Economy.pdf.
Ruhl JB. The Fitness of Law: Using Complexity Theory to Describe the Evolution of Law and Society and Its Practical Meaning for Democracy, 49 Vand. L. Rev. 1407 (1996). [acesso em 2009 Apr 8]. Disponível em: http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1353428.
Schwartz G, Trindade AFR, Gloeckner AMEJ. Autopoiese e constituição. Os limites da hierarquia e as possibilidades da circularidade. Passo Fundo, RS: UPF; 2005.
Kurakin A. Order without design. Theoretical Biology and Medical Modelling. 2010; 7: 12. [acesso em 2009 Apr 8]. Disponível em: http://www.tbiomed.com/content/pdf/1742-4682-7-12.pdf.
Almeida-Filho N, Coutinho D. Causalidade, contingência, complexidade: o futuro do conceito de risco. Physis [online]. 2007; 17(1). [acesso em 2010 Maio 7]. pp. 95-137. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n1/v17n1a07.pdf
Jayasinghe S. Conceptualising population health: from mechanistic thinking to complexity science. Emerg Themes Epidemiol. 2011; 8: 2. Disponível em: http://www.ete-online.com/content/8/1/2
Nobrega M. O subdesenvolvimento não se improvisa. Veja 2009; 2129 / 9 de setembro de 2009. Disponível em: http://veja.abril.com.br/090909/subdesenvolvimento-nao-improvisa-p-133.shtml
Seabra O, Carvalho M, Leite JC. Território e Sociedade. Entrevista com Milton Santos. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; 2006.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. 4ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.
ABES. Dia Mundial da Saúde. Mesa redonda discute a saúde da população. Jornal da ABES. 2010; 1(7). Porto Alegre. Disponível em: http://www.abes-rs.org.br/jornal/jornal_da_abes-rs_a1n7_red.pdf

Texto completo: PDF

About these ads
This entry was posted in London, New Jersey, New York, OLIVEIRA, Public health, revista brasilera de Medicina de Familia e Comunide, saúde urbana, Saudi Arabia, United States, World Health Organization. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s