Trabalhando com familias


A doença ocorre e é resolvida no contexto da família. A família ajuda a definir o comportamento da doença e muitas vezes influencia a decisão de procurar cuidados médicos.
As famílias podem influenciar a aceitação do quadro e facilitar o tratamento e os esforços de
reabilitação.
O médico de família está na posição única de desenvolver uma relação de longo prazo com as famílias, podendo observar o desenvolvimento e o funcionamento daquelas famílias durante este tempo. Este conhecimento sobre as famílias irá ajudar o médico a manejar os seus pacientes nos seus problemas de âmbito médico e psicossocial.
É recomendado que as famílias sejam envolvidas (tanto pelo argüir ao paciente sobre ele e sua família, como convidando a família a comparecer a clínica para uma entrevista) nas seguintes situações clínicas:
♦ Gravidez
♦ Problemas com o comportamento e educação dos filhos
♦ Uso alto (inapropriado) dos serviços de saúde
♦ Doenças genéticas
♦ Doenças crônicas como HAS e diabetes
♦ Doença aguda Séria
♦ Pouca aderência ao tratamento médico
♦ Doença terminal
♦ Luto
♦ Doenças psiquiátricas maiores
♦ Conflito familiar ou Conjugal
“Trabalhando com Famílias” é freqüentemente confundido com “Terapia Familiar”.
Doherty e Baird descreveram os níveis em que o médico trabalha com as famílias (1). Estes níveis envolvem um espectro de conhecimentos, habilidades e envolvimentos, com o Nível 1sendo ‘Mínima Ênfase na Família”, e o nível 5 sendo ‘Terapia de Família’. É importante reconhecer que a maioria dos médicos de família intervém entre os Níveis 2 a 4, que Doherty e Baird descreveram da seguinte maneira:
Nível Dois: Informações e conselhos médicos contínuos ­ fornecendo aos membros dafamília informações médicas, ouvindo suas questões e considerações, e referindo para um terapeuta de família se as disfunções das família estiverem interferindo com o tratamento médico.
Nível Três: Sentimentos e Suporte ­ comunicação com os membros da família seus sentimentos e considerações sobre a condição do paciente e seus efeitos na família, e referindo para um terapeuta de famílias se a disfunção estiver interferindo com o tratamento médico.
Nível Quatro: Avaliação Sistemática e Intervenção Planejada ­ usando seus conhecimentos sobre o sistema da família de modo a dar suporte a seus membros e ajudá­los a desenvolver novas maneiras de se relacionar, facilitando a referência ao terapeuta de família para disfunções familiares que escapem do nível primário de atenção.
A meta deste livro de trabalho é introduzi­lo no conceito de “Trabalhar com Famílias” na Medicina de Família. O livro de trabalho é composto de duas seções principais: Problemas Clínicos e Ferramenta de Trabalho. A Seção de Problemas Clínicos consiste em um número de diferentes cenários encontrados freqüentemente pelo Médico de Família em que o acesso e a intervenção podem ser de ajuda no manejo dos problemas. A Seção de Ferramentas de Trabalho lhe ensinará sobre diferentes técnicas de acesso às famílias. Se uma técnica particular de avaliação familiar é mencionada na seção de Problemas Clínicos, você será remetido para a seção de Ferramentas de Trabalho para maiores detalhes.
Dois dos módulos dos Problemas Clínicos, “Colaboração” e “Parar de Fumar” tem fitas de vídeo que acompanham e que poderão ser mostradas pelos seus supervisores. É recomendado que o trabalho dos módulos seja realizado individual e coletivamente. As respostas podem ser discutidas em seminários ou no seu meio dia de atividades junto ao preceptor, ou entregues por escrito. Como fazer isto será discutido por você e seu professor no próprio Centro de Medicina de Família.
De modo a serem mais bem compreendidas as técnicas de avaliação familiar e os problemas clínicos que você encontrará neste livro de trabalho, é recomendado que você faça as seguintes leituras antes de testar os módulos:
1. Doherty WH. Baird MA. Developmental levels in family­centred medical care. Fam Med 1986;18: 153­6
2. Campbell T, McDaniel S. Applying a system approach to common medical problems.
In Crouch MA, Roberts L (ed), The Family in Medical Practice: A Family Systems Primer, New York: Springer­Verlag, 1987.
3. Family systems concepts ­ tools for assessing the family in primary care. In McDaniel S., Campbell TL, Seaburn DB: Family­Oriented Primary Care. New York, Springer Verlag, 1990.
Estas leituras explicarão as bases teóricas de “Trabalhando com as Famílias” na Medicina de Família, que é baseado na teoria do sistema de família.
Nós esperamos que você complete este livro de trabalho durante sua residência, e que quando você termine, sinta­se confortável em lidar com situações como as seguintes:
João recém teve seu primeiro ataque cardíaco, e ele parece não ser muito cooperativo em usar medicamentos e seguir os exercícios prescritos.
Na primeira visita para verificar a saúde do bebê que você fez o parto a 3 semanas atrás, a mãe lhe informa que o marido está ameaçando deixá­la.
Sr. N. está comatoso em conseqüência de seu tumor cerebral, e os membros de sua família não concordam com o nível de agressividade do tratamento necessário.
Os objetivo específicos que deverão ser atingidos enquanto trabalhando com este livro estão listados na próxima página. Assim, como há um questionário de avaliação ao fim do livro, gostaríamos que você completasse após terminá­lo. Qualquer sugestão que você tenha visando a estrutura ou conteúdos do livro de trabalho são bem­vindas.
Referências
1. Doherty WH, Baird MA. Developmental levels in family­centred medical care. Fam Med 1986; 18: 153­6

Texto Completo

Fuente: Lista MF Belho Horizonte. Ana Carolina Oliveira Diniz. Muito obrigado.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s